Nossos Mestres…

13 09 2009

…também tem mestres.

“Nunca estaremos prontos para sermos donos de nós mesmos, o máximo que podemos conseguir é ter mais confiança”, ouvi essa frase (ou coisa do tipo) de uma antiga Mestra minha que respeito muito, mas não concordo. Chego a pensar que poderia ser o inverso como coisa do tipo: “Nunca teremos confiança plena em nós mesmos, o máximo que podemos é ser nosso próprio dono”.

Hoje descobri em uma discussão antes do almoço que todos nós precisamos de um mestre, de um tutor, de um guia. Viver sem essa base seria muito difícil. Muitas vezes tento ser meu próprio guia, até pelo motivo de discordar de muitas das pessoas que tenho certeza que sabem mais do que eu. O prazer de ser “do contra”.

Do nada recebo uma mensagem de um numero desconhecido, era de um alguém que me prometeu um pote de estrelas: “Acho que o nome do filme é ‘Se nada mais der certo’, vamos assistir?”

Vendo o Trailer:

 

“Você é do tipo que quando tá diante do que você quer, você vira as costas.”

“O nosso medo de assumir os riscos nos deixam viciados no depois.”

Guia, mestre e tutor que nada… é simplesmente confiar no que somos e no que queremos. Um dia tudo que já foi pode voltar. Obrigado menina do pote, vamos assistir o filme sim.

Adorei ser interrompido no meio do post. E de me sentir confiante, depois de anos, ser interrompido justamente por quem eu não falava faz tempo e me dando a certeza de que nem sempre “oerradosempresoueu”.

Post Scriptum: “Meu mundo inexplicável ainda está aberto a convites”





Quando não vivem o que fala…

12 09 2009

…e dizemos que sim.

Muitos de nós somos obrigados a viver de pura e simples demagogia e hipocrisia. Tento ao extremo viver longe disso e adoro encontrar pessoas que fingem muito bem não viverem disso. Não é simples viver “tentando”, penso que está na hora de viver um pouco no mundo de todos para tentar entender essa demagogia e hipocrisia.

Eu tinha começado a escrever às 4:20 da manhã de hoje, agora são 17:25, depois de alguns acontecimentos que me fizeram ficar acordado até agora, decidi repensar e mesmo assim não retirar o que eu disse. Para concluir vou deixar o que simplesmente me passa agora com mais de 30 horas sem dormir:

– Escolher o que queremos na nossa vida, e principalmente quem queremos, não pode incluir só partes boas e as pessoas definitivamente não sabem conviver com isso.

– Ser demagogo e hipócrita é difícil, não ser é mais difícil ainda (pra mim, por mais que as pessoas possam achar o contrário). Talvez por isso eu deveria me reservar mais ao silêncio.

– Gostar de alguém que você mal conhece, e se dedicar a essas pessoas de cara, pode ser extremamente incômodo, pode até se tornar uma dor, ainda mais quando já se sabe que “depois que tudo está certo, o errado sempre sou eu e tchau tchau”.

– “O errado sempre sou eu”, e aprendi a gostar disso!

Post Scriptum: “e que tal viver no meu mundinho inexplicável?”[2]





Vivendo o…

11 09 2009

…inexplicável

bomb Há alguns posts atrás tentei explicar o inexplicável. Agora nem vivo mais, na verdade agora vivo a felicidade de as coisas estarem em outro pé. Assim como o inexplicável. A vivência me deu o prazer de poder conviver cada vez mais com coisas que a “vã filosofia” não é capaz de explicar. Uma dessas coisas é o próprio fato de estar atualizando o blog com certa freqüência.

Tenho minhas inspirações, um tanto quanto inexplicáveis, para o que me inspira a escrever. Sempre está relacionado a pessoas, às vezes que eu convivo às vezes com pessoas que eu gostaria de conviver. Sendo assim, hoje por coincidência, estou vivendo as duas coisas ao mesmo tempo.

Até quando os humanos vão tentar compreender um ao outro? Até onde ainda vamos ter de precisar de motivos e até mesmo desculpas para fazer algo? O que seria de nós (humanos) se vivêssemos um pouco mais na inconstância?

Post Scriptum: “e que tal viver no meu mundinho inexplicável?”





Quando o assunto é dados…

9 09 2009

…melhor querer jogar

Tudo bem, isso foi um trocadalho do carilho, mas mesmo assim ainda vale a pena. Atualmente estou começando a pesquisar sobre banco de dados, recriar um banco de dados evolutivo que havia inventado quando estudava economia. agora ele tem de trabalhar sendo tão evolutivo quanto antes, mas agora com dados sobre a cana-de-açúcar. De economia dessa vez apenas a minha segurança.

Não vou colocar, ainda, aqui no cabeças a fora um exemplo de tantas coisas que podemos fazer com um simples computador. Até porque a maioria dos meus leitores não sabem nada disso, mas já deixo o aviso para começarem a se preocupar, ou mudar o ponto de visitas.

Pra quem não sabe, Banco de Dados nada mais é do que um monte de tabelas e colunas organizadas de forma a armazenar informações e facilitar consultas. Uma agenda de telefone é um bom exemplo de banco de dados. Comparando um Banco de Dados com uma agenda de telefone, meu trabalho agora é fazer com que essa agenda de telefone seja também um telefone, seja capaz de saber quais foram as ultimas pessoas que te ligaram e que você ligou, assim como poder acrescentar um aviso dizendo “olha, acho que a Maria vai te ligar daqui 10 minutos”, ou “o seu marido deseja que você ligue para ele daqui 20 minutos”.

Parece bobeira. Não é, no mundo da informática tudo isso é possível, ainda mais se você trabalhar com gente louca igual a eu. Ainda não sabemos nem como fazer isso, mas eu tenho a dica a muito tempo: “Quando conhecemos as variáveis das pessoas é fácil deixar o mundo mais previsível e saber o futuro”

Post Scriptum: “O tempo transforma tudo, viva o homem-menino e menina-mulher”





Explicando…

8 09 2009

…o inexplicável

Hoje, primeiro dia em um trabalho que muita gente morreria de inveja. Desde ontem alguma coisa dizendo que “tem coisa pra dar errado”. Carro perde a bateria, hoje na ponte da Cidade Universitária (São Paulo) cabo de embreagem quebra às 7:30 da manhã. Carrego o carro até meu “ponto final” a alguns metros dali. O dia era para continuar dando errado, ou melhor, não dando.

Manhã conturbada, São Paulo com a chuva que não acabava mais e eu com as minhas próprias conturbações. Todas morreram antes do almoço, as minhas. Carro ficou estacionado na USP, eu peguei ônibus e vim embora. Dormi, depois de 24 horas em modo on.

Não sei se o dia melhorou, ou se os créditos acumulados do feriadão me compensaram. Vivendo, sabendo viver.

Post Scriptum: “e tem gente que tem inveja?”





Dragões também podem…

8 09 2009

…ser surpreendidos.

É sempre quando já estamos acostumados com as coisas é que somos surpreendidos com coisas novas. Esse blog não é mais para falar de mim a muito tempo, porém ainda serve para exemplificar coisas que sempre acontecem na vida de qualquer um ensinando e aprendendo por menos que isso possa parecer.

menina Todos os finais de semana foram feitos para serem vividos, encontrar amigos, velhos amigos e quem sabe, se a sorte permitir, conhecer gente nova. O dragão aqui nunca esconde as garras mas também não posso esquecer do Petit Prince de Saint-Exupéry e o ensinamento da raposa: “Tu és eternamente responsável por aquilo que cativas”. Até quando cativar…

Este final de semana vi uma pessoa mudar no periodo entre o almoço e a inesperada caminhada noturna. Vi uma “menina” se transformar em uma “mulher” e não pelo meu conhecido preconceito draconesco, mas sim pela grandeza escondida nela. Só esse mesmo olhar draconesco é capaz de enxergar isso (acredito eu) e ser “mal” o bastante para arranhar a menininha de outrora para me revelar o que antes não vi.

Com tudo, acho que é sempre assim que acontece “coisas impossíveis acontecem e sempre é comigo”. Mas esse final de semana foi graças a menina-mulher que aprendi muito, e espero ter ensinado um pouco como sempre.

Tenho quase certeza que a menina vai continuar crescendo, comigo ou sem “migo”, eespero que a mulher que vai se tornar nunca seja menina1“adulta” o suficiente para esquecer de sorrir, mesmo com todos os calos que a vida te causar.

No mais, o Dragão continua aqui, mesmo com todas as cinzas que pode deixar para trás, ajudando da forma estranha dele, mas sempre da forma como ninguém mais consegue fazer.

No mais o Dragão continua aqui, mesmo com aquela cara pintada de palhaço que é capaz de fazer sorrir as meninas e as mulheres, ou qualquer um que assim queira.

No mais o Dragão continua aqui, mesmo com todas as cinzas que pode deixar para tráz e com a cara pintada de palhaço, encontrando pessoas que o fazem ter seus momentos de felicidade. Mesmo que seja por um final de semana, mas que pelo menos sei que existem e podem continuar existindo.

Post Scriptum: “É sempre na próxima esquina? mesmo que não for vou continuar andando…!”





Acho que já…

7 09 2009

…é hora de voltar.

Depois de muito tempo sem postar, muito tempo sem ter um tempo certo para pensar em alguma coisa que de algum modo poderia estar certa. Estou de volta. Por quanto tempo e a que tempo, ainda é incerto.

O certo é que estou escrevendo aqui hoje, ouvindo Gilberto Gil cantando Refazenda, nada tão propicio.

Post Scriptum: “Abacateiro serás meu parceiro solitário”