Quando o assunto é dados…

9 09 2009

…melhor querer jogar

Tudo bem, isso foi um trocadalho do carilho, mas mesmo assim ainda vale a pena. Atualmente estou começando a pesquisar sobre banco de dados, recriar um banco de dados evolutivo que havia inventado quando estudava economia. agora ele tem de trabalhar sendo tão evolutivo quanto antes, mas agora com dados sobre a cana-de-açúcar. De economia dessa vez apenas a minha segurança.

Não vou colocar, ainda, aqui no cabeças a fora um exemplo de tantas coisas que podemos fazer com um simples computador. Até porque a maioria dos meus leitores não sabem nada disso, mas já deixo o aviso para começarem a se preocupar, ou mudar o ponto de visitas.

Pra quem não sabe, Banco de Dados nada mais é do que um monte de tabelas e colunas organizadas de forma a armazenar informações e facilitar consultas. Uma agenda de telefone é um bom exemplo de banco de dados. Comparando um Banco de Dados com uma agenda de telefone, meu trabalho agora é fazer com que essa agenda de telefone seja também um telefone, seja capaz de saber quais foram as ultimas pessoas que te ligaram e que você ligou, assim como poder acrescentar um aviso dizendo “olha, acho que a Maria vai te ligar daqui 10 minutos”, ou “o seu marido deseja que você ligue para ele daqui 20 minutos”.

Parece bobeira. Não é, no mundo da informática tudo isso é possível, ainda mais se você trabalhar com gente louca igual a eu. Ainda não sabemos nem como fazer isso, mas eu tenho a dica a muito tempo: “Quando conhecemos as variáveis das pessoas é fácil deixar o mundo mais previsível e saber o futuro”

Post Scriptum: “O tempo transforma tudo, viva o homem-menino e menina-mulher”