Um Banco que não é de sentar…

14 09 2009

…nem depositar dinheiro.

Apesar de não ser um banco de sentar, muitas vezes passo horas sentando trabalhando nele. Apesar de não ser um banco que eu guardo meu dinheiro, é onde muitos desenvolvedores o ganham. Como analista de sistemas já tive de me deparar com infinitas tecnologias que aos meus olhos ainda eram coisa de outro planeta, uma das “tecnologias”, ou melhor, sistemas que tive de me deparar era com o Banco de Dados.

Como quero explicar passo a passo tudo que precisamos, antes de falar de DBMS(Database management system), ou em português chamado de SGDB (Sistema Gerenciador de Banco de Dados) precisamos falar do que é um DB(DataBase), ou em português BD(Base de dados). Já deu pra perceber que vamos usar muitas siglas né? É assim que as coisas funcionam na informática.

Voltando… DBs nada mais são do que as estruturas ondem ficam armazenados dados sobre determinado assunto, o armazenamento desses dados é feito de forma a garantir uma futura extração de acordo com as necessidades de pesquisa. Essa estrutura podem ser organizadas de várias maneiras, a mais conhecida é o que encontramos em planilhas simples.

MySQL Logo

MySQL Logo

Quando falamos em banco de dados, a agenda de telefone, uma planilha, ou qualquer outra lista serve como forma de exemplificar o que é um banco de dados. Em informática, quando pensamos em um grande software e uma quantidade enorme de dados precisamos de um sistema um pouco mais complexo, regrado e ao mesmo tempo moldável às mais distintas necessidades. O que chamamos de DBs só existem gracas ao modelo de SQL (Structured Query Language, `Linguagem de Consulta Estruturada em português`), criado para viabilizar o uso dos modelos relacionais que hoje é utilizado.

Bem, até aqui é só historinha mesmo, o que importa agora é o que vamos utilizar. Apesar de as regras de um DB, teoricamente, valer em qualquer DBMS/SGDB já que se utilizam de SQL isso não é possível, justamente pela forma como os DBMS criam suas tabelas. Hoje os DBMS mais conhecidos e utilizados são: SQL-Server, PostgreSQL, Firebird, Oracle, MySQL entre outros. O que vamos utilizar sempre como exemplo aqui será o MySQL por poder ser utilizado tanto em Linux quando Windows e ser facilmente integrado à PHP e outras linguagens.

Por enquanto basta, mas estamos ai para começar a brincadeira.

Post Scriptum: “Deveria ter acesso ao meu código fonte de vida”

Anúncios




O Trabalho…

14 09 2009

…e a semana.

A correria está presente na minha vida desde sempre, desde a semana passada isso tem se tornado um pouco mais ativo, um pouco mais exaustante. Sinto que meu corpo tem exalado adrenalina para poder competir com tudo o que está acontecendo ultimamente, tanto na vida pessoal como na profissional.

Falando em vida profissional, quem ainda não percebeu, vai a dica: o blog durante a semana vai falar especificamente sobre trabalho, ou melhor, durante o dia sobre o trabalho e durante a noite sobre o que sempre fala. Não que isso seja uma regra, como tudo por aqui.

Falando em trabalho estou preparando um pequeno tutorial de MySQL para a galerinha que acompanha o Blog, e até para conseguir novos visitantes para essa minha já antiga casa. Será que vai dar certo?

Post Scriptum: “Quem cedo madruga… fica com olheiras o resto do dia!”





Quando o assunto é dados…

9 09 2009

…melhor querer jogar

Tudo bem, isso foi um trocadalho do carilho, mas mesmo assim ainda vale a pena. Atualmente estou começando a pesquisar sobre banco de dados, recriar um banco de dados evolutivo que havia inventado quando estudava economia. agora ele tem de trabalhar sendo tão evolutivo quanto antes, mas agora com dados sobre a cana-de-açúcar. De economia dessa vez apenas a minha segurança.

Não vou colocar, ainda, aqui no cabeças a fora um exemplo de tantas coisas que podemos fazer com um simples computador. Até porque a maioria dos meus leitores não sabem nada disso, mas já deixo o aviso para começarem a se preocupar, ou mudar o ponto de visitas.

Pra quem não sabe, Banco de Dados nada mais é do que um monte de tabelas e colunas organizadas de forma a armazenar informações e facilitar consultas. Uma agenda de telefone é um bom exemplo de banco de dados. Comparando um Banco de Dados com uma agenda de telefone, meu trabalho agora é fazer com que essa agenda de telefone seja também um telefone, seja capaz de saber quais foram as ultimas pessoas que te ligaram e que você ligou, assim como poder acrescentar um aviso dizendo “olha, acho que a Maria vai te ligar daqui 10 minutos”, ou “o seu marido deseja que você ligue para ele daqui 20 minutos”.

Parece bobeira. Não é, no mundo da informática tudo isso é possível, ainda mais se você trabalhar com gente louca igual a eu. Ainda não sabemos nem como fazer isso, mas eu tenho a dica a muito tempo: “Quando conhecemos as variáveis das pessoas é fácil deixar o mundo mais previsível e saber o futuro”

Post Scriptum: “O tempo transforma tudo, viva o homem-menino e menina-mulher”